Thereza Chritina Barja Fidalgo

THEREZA CHRISTINA BARJA-FIDALGO

 

Cv lattes: http://lattes.cnpq.br/7181616799746888 

e-mail: barja-fidalgo@uerj.br 

 

Laboratório de Farmacologia Celular e Molecular

Instituto de Biologia

Universidade do Estado do Rio de Janeiro


 

Projeto

ESTUDOS SOBRE CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DE CÉLULAS E ELEMENTOS QUE COMPÕEM O MICROAMBIENTE TUMORAL: ALTERAÇÕES METABÓLICAS E FUNCIONAIS EM NEUTRÓFILOS E MACRÓFAGOS ASSOCIADOS AO TUMOR TRATADOS COM LIPOXINA 

 

Resumo de divulgação científica

O grupo pesquisa em Farmacologia Celular e Molecular (LFCM) da UERJ tem como foco de investigação os mecanismos que regulam as funções de células e de outros elementos do microambiente tumoral, como a matriz extracelular, fatores solúveis e microvesículas. Sob ação de fatores tumorais, como citocinas, quimiocinas e microvesículas liberadas pelo tumor, as células imunes- em especial macrófagos e neutrófilos- podem sofrer modificações no seu perfil funcional, suportadas por mudanças no seu metabolismo energético e que contribuem para o desenvolvimento tumoral. Por sua vez, os diálogos metabólicos entre o tecido adiposo (TA) e as células tumorais são também colaboradores na tumorigênese e no agravamento do câncer na obesidade, através da secreção de adipocinas e microvesículas derivadas do TA. Desta maneira, fica claro que elementos do microambiente inflamatório que circunda as células tumorais são protagonistas importantes na gênese, progressão e gravidade no câncer.  Nossos estudos focam nesses diferentes aspectos do microambiente tumoral, na hipótese que a regulação funcional e metabólica de macrófagos e neutrófilos associados a tumores e que as associações entre o tecido adiposo e tumores, são alvos importante para o controle da evolução tumoral, abrindo para a descoberta de novas terapias no tratamento do câncer.

Mostramos recentemente macrófagos associados a tumor (TAM) com fenótipo M2/ pró-tumoral apresentam perfil metabólico diferenciado de outras células M2 clássicas, anti-inflamatórias, ou do M1, pró-inflamatório e antitumoral. Além disso, mostramos que a Lipoxina, um mediador lipídico resolutivo da inflamação, modifica o perfil pró-tumoral dos TAM/M2 tornando-os citotóxicos/ antitumorais, reduzindo o crescimento do tumor in vivo. Os efeitos da Lipoxina sobre as alterações metabólicas dos TAM/M2 vêm sendo investigados. O carregamento de lipoxina em nanopartículas é uma das abordagens de nossos estudos in vivo, objetivando obter novas ferramentas terapêuticas que atuem diretamente sobre células tumorais e/ou na modulação dos TAM. 

Nossos estudos sobre a relação entre obesidade e câncer, mostraram que vesículas extracelulares (VEs) secretadas pelo TA de indivíduos obesos alteram características funcionais de células de tumorais de câncer de mama, potencializando sua malignidade. Na continuação, investigamos a composição do o secretoma e das EVs liberadas do TA obeso humano e as alterações fenotípicas e funcionais induzidas pelas EVs em diferentes tipos celulares presentes no microambiente tumoral. 

 

Equipe 2022

Aline Vasques- Pós Doutora

Genílson Rodrigues – Técnico

Isadora Ramos de Andrade – Doutoranda

Julia Duncan Moretti – Mestranda

Maria das Graças M. O. Henriques - Visitante UERJ

Palloma Porto Almeida – Doutorando

Rafael Loureiro Simões - Pós-Doutor

Vany Nascimento Silva – Técnico

Yasmin Forte – Mestrado

Colaboradores

Heitor Affonso de Paula Neto (UFRJ)

João Alfredo de Moraes (UFRJ)

Mariana Renovato Martins (UFF)

Mariele de Jesus Souza* (FAPERJ 2021)

Natália Mesquita de Brito* (UERJ)

Ralph Santos Oliveira – Colaborador, IEN / UEZO

Roberta Ferreira Gomes Saldanha da Gama (UERJ)

*Externos em colaboração- após finalização pós-doutorado