Pesquisador Emérito e Jornalista de Ciência abrem Ciclo de Seminários Programa de Oncobiologia 2020

Por Lúcia Beatriz Torres


Após as férias de verão, os Seminários do Programa de Oncobiologia voltaram às atividades! No dia 10 de março, pesquisadoras e pesquisadores da rede multidisciplinar que estuda a biologia básica do câncer se reuniram, no auditório Marcos Morales (CCS/UFRJ), para assistir à abertura do Ciclo 2020 dos Seminários de Oncobiologia.



Na programação, duas palestras de áreas distintas que se complementam: a de uma jornalista de Ciência, nova integrante do Programa de Oncobiologia; e a de um exímio cientista, militante na busca pela cura do glioblastoma, um dos tumores de cérebro mais agressivos e letais que já foram identificados pelo ciência.


Abrindo o evento, a jornalista Lúcia Beatriz Torres apresentou o Planejamento Estratégico de Ações 2020/2021 para o Núcleo de Divulgação do Programa de Oncobiologia. Em sua palestra, reforçou a importância da comunidade científica do Programa se engajar nas ações do Núcleo que coordena, para que a divulgação das pesquisas seja feita de uma forma mais ágil e com maior impacto na sociedade.

O Planejamento 2020/2021 traçado para o Núcleo de Divulgação engloba ações relacionadas à comunicação interna e externa do Programa, capacitação em divulgação científica e oratória, além do resgate da memória do Programa de Oncobiologia, através da retrospectiva dos seus 20 anos.


Paixão pelas células gliais inspira pesquisas científicas


Na sequência, o pesquisador Vivaldo Moura Neto, do Instituto Estadual do Cérebro, ministrou a palestra “Desvios da Tumoriogênese”. Fazendo um breve preâmbulo sobre o tema que iria apresentar, o pesquisador, que é professor emérito da UFRJ desde 2016, demostrou a sua admiração pelas células gliais - células que compõem o sistema nervoso central (SNC) junto com os neurônios. Vivaldo explicou que sua admiração veio da capacidade da célula glial se converter em neurônio que, para ele, "é algo extraordinário"!


Mas e quando essa célula tão versátil se transforma em um tumor? Sempre fazendo uso do bom humor para conduzir de forma leve a sua conferência - que abordou as diferentes facetas de um câncer de cérebro tão severo - o pesquisador apresentou os resultados recentes do seu grupo de pesquisa na busca pela cura do gliobastoma.

Incansável, o Prof. Vivaldo Moura Neto coordena ainda uma rede de pesquisadores que está desenvolvendo uma plataforma para realizar o diagnóstico do câncer com base na genotipagem, através biópsia líquida. Este foi um dos projetos contemplados no edital 2019 do Programa de Oncobiolgia.